Portal Para a Morte

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

92 - Os Rastejantes



Só os rastejantes sobreviverão
entre o fogo da guerra e os icebergues polares.
Viverão os rastejantes monótonos,
os monstrengos da tua prisão.

Farão parte da literatice
corpos lívidos e sem amor.
Vivendo a liberdade escabrosa,
navegando no ácido vômito da carne.

Terão palavras farpas mecanizadas,
de sentido farto ardiloso.
Com cheiro matricídios
recamam com a morte os que vivem.

Com lamúria vasca
crepúsculo sobre o jazigo,
refletirão corpos apodrecidos
pelos vermes que rastejarão.

Coincidência ou não,
estes vermes tragicamente rastejantes,
repousantes repetentes,
tem a tua face.

              Janice Adja.

"Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal 9610".

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

219 - Artista de Telas Vivas



Tatuagem de  Hugo Leonardo - Campina Grande - Pb
( Admiração ao trabalho do meu amigo e tatuador Hugo Leonardo. Beijos para vocês - Gitana, Hugo e filhos).

Neste  tecido, tela viva
assinas o painel do futuro,
o feio recebe beleza exuberante
sem a perda da originalidade.

Extremar com traços firmes
a intempérie da natureza atmosférica.
Vidas e cores, para figuras colossais
desta mitologia repleta de fábulas.

O artista, segui com mão leve
sem cruentar o tecido.
Faz surgir coloridos truões,
flora e fauna irreais.

Seres da eversão com sumição do ódio.
Ornatos salientes, obras arquitetônicas,
hipogrifos no preto ou cores,
tons do espectro solar.

Seres lapuzes com vestis arneses,
exibindo olhares magnânimos.
São magos. Homens sábios
com expressões da eutimia letífica.

És nobre como um cuitelo,
com a rapidez do culicídeo.
Faz arraigar na epiderme,
formas em cores inexplicáveis.

                     Janice Adja.

"Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal 9610".

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

136 - A Morte da Terra


Brincando nos vales
correndo sem pressa,
não tinha medo da lâmia
que chuparia meu sangue.

Hoje ando apressado
com medo do escuro diurno.
São agregados de vapores,
são químicos depreciativos.

Minha garganta queima,
Meus olhos são vedados,
Meus pulmões sem o puro ar,
pedrento, ...
morre.

Redutível o rio sem sua pura nascente
subtrai o alimento dos subordinados.
Destruição total de um planeta sonoro,
de um mundo singular em suas riquezas.

Depauperante, a terra cálida
descontínua exuberância natural.
Desfalecida perco a estância
nos meus versos silenciados.

                      Janice Adja.

" Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal".

89 - Não Mate Para Não Morrer


Nesta ambiência selvagem,
não quero ser protagonista.
Vivo o anonimato,
infeliz neste grande âmbito.

A dolência das árvores,
que mortas viram até portas.
Para trancar a matança
dos que habitam nas trevas.

Homens inglórios
modificadores da geotermia,
fazendo parte dos vaidosos nidoosos
com relutância impontual.
São homens que matam, ...
matam o que tem de graça.
Deixando assim o planeta:
cinza, sem vida e sem mata.

O homem cruelmente, impiedoso 
enfurece a natureza.
Larga a terra enferma
infestada de impurtezas.

E no centro desta selva
existe mentes luzidas.
Fiança até para salvar:
mosquitos, baratas, ratos e lagartixas.

Cada um é unifloro,
uno na sua espécie.
Da fauna e flora que aflora,
em vidas para gerar vidas.

                 Janice Adja.

"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal". 


84 - Dúvidas

Como a morte vai?
Quando a morte vem?
Onde a morte está agora?
Se ela vem e ...
por que ela vem?
Quero saber tudo.
Quanto tempo dura morrer?
Quanto tempo ainda tenho?
Se vou morrer 
quero saber tudo.
Como morrer?
Por que morrerei?
Por quem morrerei?
Que morte terei?
Será que acertarei morrer?
Será?...

           Janice Adja



"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal".

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

63 - Sofia


( A mais alegre cadela do mundo)
Mesmo pequena, cheia de manhas
muito doente, corria e caia.
Sempre alegre sem tempo ruim
corria Sofia alegremente.
Sorria, cantava e nada eu entendia,
apenas sorria para pequena Sofia.
Comia de tudo que encontrava:
melão, melancia, grama e grana.

     As manchas pretas na parte brancas,
cresciam sem formas na alegre Sofia.
Dormia na rede, sempre balançando
cedinho acordava e quietinha ficava.

Nada ficava no canto parado,
rasgava tudo que encontrava.
Bolsas, sapatos, revistas, gravatas,
documentos e nota de cinquenta.

Os olhos bem vivos,
de alegria constante,
Sofia toda manchada e suja de lama,
banhava-se na água que bebia.

Ativa, sem preguiça,
subia na mesa, na cama, . . . menos na pia.
Radiante era Sofia!
E sem timidez eu dizia: Filhinha!

Sem beijo de despedida,
se foi Sofia sem meu Adeus.
Em sono tranquilo dormi Sofia,
na mais bela vista de Patos na Paraíba.

                  Janice Adja
"Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610."

65 - Não Deixe Para Amanhã


Não deixarei para amanhã
o que faria hoje.
Hoje, só farei hoje,
o que provavelmente faria amanhã.

Lavarei a alma que sangra,

os pesadelos desta tua mente insana.
Caminharei sobre a água
turbulenta deste rio seco.


Hoje farei tudo.
Tudo que faria amanhã.
Amanhã não quero fazer
nada do que fiz hoje.

Vou deitar na relva,
esperar a visita da lua,
vou ouvir: Rhapsody, Angra,
Lacrimosa, Los Hermanos, Nightwish,
Tristânia, After Forever, Sopor Aeternus, Lacrimas Profunderes, Maquialelia
Helloween, . . .  Zeca Baleiro, Chico César, Nostra Morte . . .  e outros.
Hoje, serei meu futuro.

Hoje não comerei vegetal,
não terei que esperar por nada 
ou por ninguém.
Não dormirei na tua hora,
terei mais umas cadelas.

Hoje, somente hoje, farei
o que provavelmente faria amanhã.
E amanhã? . . .
O que farei amanhã?
O amanhã não existe.
Apenas o hoje.

Hoje, só hoje, . . . 
passarei a ser a pessoa mais feliz.
          Aproveitarei o hoje gloriosamente.
Mesmo que seja no "Blogueando".

       
               
            Janice Adja

"Plágio é crime e está no artigo 184 do Código Penal."



terça-feira, 10 de janeiro de 2012

74 - Extrema Despedida


Não faça da minha partida
tua bandeira de lágrimas.
Não faça da minha ida
o teu ficar sem esplendor.

Não busque nos campos
flores vivas e coloridas.
Morrerão junto ao meu peito
perdendo o fulgor da vida. 

Não me tragas o silêncio
quando calo para te ouvir.
Tire a roupa escura da dor,
a natureza é colorida e quente.

Dormirei no leite frio e só.
Agora, serena defunto no mármore.
Aflito não impedirás
meu impulso no azul.

Libertar-me-ei da matéria suja,
das delícias do paladar
e de tantas outras que colaboram
para interação da vida.

Saudades levarei da luz
tão singela e sinfônica.
Saudades, dos integrantes convívios
desta aventura diária.

Na extrema despedida dos corpos,
comovida, partirei para longe.
Onde terei vida eterna.
Lugar onde Deus me aguarda.

               Janice Adja

        "Plágio é crime e está no Artigo 184 do Código Penal 9610." 



85 - Esse Mal


   (Para minha filha que sempre tem uma doença para reclamar e para os médicos quando não sabem o diagnostico).
Que obstáculo é este
que não permite bons dias.
Manda embora esta mazela
absurda da tua vida.


Sintomas vãos
para uma princesa tão meiga.
Inconstância febril,
que nada acusa.


São dores expressivas
em teu corpo pequenino.
Da membrana encéfalo
tens a prova da negação.


Um sábio curandeiro habilitado,
alopata, sem estetoscópio primórdio,
balbuciou em poucas palavras
o incógnito resultado: - É uma virose.

                            Janice Adja

"Plágio é crime e está previsto no Artigo184 do Código Penal 9610."

81 - Brilho na Ribalta


 Na ruptura de nossos corpos,
rumorejo com súplicas a Deus.
Brilha a ribalta no nosso espetáculo.
Insurreto e cheio de ira,
joga-me ao chão ressabiado
pelo ciúme enfermo.
Seu coração excessivamente seco,
sentencia-me.
Consequência da fúria vã.
Incapaz de brilhar sentimentos
destila o líquido
da maldade opaca.
Lentamente levanto-me,
atribuída com nova vida. . .
imbuiu-me ardentemente
em teus pensamentos imputrescíveis,
que jamais me esquecerão.
                   
                   Janice Adja

"Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal 9610."

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

129 - O Ilusionista


Ao meu filho que tem dedicando-se ao ilusionismo nas horas vagas.


Decúbito confortavelmente
ordenando a moxinifada
que minha perturbação expõe,
neste prestidigitador ainda anônimo.

Objetos que fugidios
entre os longos dedos,
obstina-se em desaparecer.
Abrilhantando as mãos maravilhosas.

Qualificado, o ilusionista usa cartas, 
cubos ou outros que permutam:
Nas cores, naipes e/ou valores
que se movam na invisibilidade.

Feiticeiro dos meus olhos
encantado com o logro.
Enfeitiço-me a cada movimento
de tuas mãos mágicas. 

                         Janice Adja
(Plágio é crime e está previsto no Artigo 184 do Código Penal).